Otavio Milagreiro

E sabe o porquê do sumiço?
Porque minha família aumentou!

E não, Não é outro menino. Nem menina.
E nem filho (eu não curto muito chamar de filho...Mas respeito quem chama!)
Não é um gato. Nem um cachorro, nem uma tartaruga!

É o Otavio.
O Ota, Fumaça, Mussum, Cuêio.

Isso! Um coelho. Um mini coelho.

Chegou a nossa hora de um bichinho de estimação.

Claro que primeiro veio a ideia de um cachorro. E então fizemos uma lista (eu e minhas listas...) de perguntas a serem respondidas.

1. Qual o custo de um cachorrinho?


Paramos por aí! A manutenção de um cachorrinho faria um buraco negro nas nossas contas. Nosso futuro anda muito incerto com a recessão, não é hora de arriscar.
Além das perguntas que viriam a seguir como espaço, raça*, pra quem ficaria o trabalho de cuidar...

Então chegamos aos roedores. Porquinho da Índia.
Desculpa mundo. Eles são lindos, engraçados, fofinhos. 
Nos desenhos animados. 
Não na vida real. Não, mesmo!

Fiquei enjoada em todos os pets que fomos. E fomos em cinco numa única manhã!!!
Certeza que inconscientemente subiria na cadeira e tentaria acertar com a vassoura, chorando copiosamente até que o Alê chegasse do trabalho.

Peixe Beta, claro!
E der repente fez-se a luz!

Três meninos, num apartamento, bichinho de estimação... Tem que ser algo que interaja, que se possa passar a mão, correr, dar comida na mão, rir de gracinhas.
Um beta... Um beta...


Cachorro, fora por enquanto!
Gato, nem pensar.
Ratos, hamsters, roedores, jamais!
Chinchila, fofa, mas muuuuuito muuuuuito cara.
Beta, definitivamente não.
Passarinho, menos ainda. Somos a favor da gaiola para colocar plantas, nunca passarinho. Tera um Agapornis! Solto pela casa e livre caso quisesse voar pra vida. Pena que não tinha.
A gente queria um jabuti, mas parece que agora é proibido, né?! De qualquer forma, não encontramos.

Daí que no último pet, na hora que a gente já tinha desistido, num caminho doido do Wase de volta pra casa... Passamos em frente a um pet e o Alê resolveu dar meia volta pra conhecer ( a ideia dele era me convencer a aceitar o porquinho da Índia.

E demos de cara com um Agapornis fofo, mascote da loja. E muitos parentes do Otávio.

Ouvimos com atenção os prós e contras. Muuuuuuitos prós pra pouquissímos contras. Óh! Já dá pra estudar o assunto com calma.
Mas em questão de cinco minutos, tínhamos três meninos ajoelhados, literalmente, no chão da loja, pedindo pelo amor do divino que a gente levasse o Otávio pra casa.


Vocês querem ver, né?! Mas vamos com calma. deixa eu falar mais dele.

Prós:
Não faz barulho.
Interage 
Atende pelo nome.
É fácil de educar.
Não morde.
Come ração própria, frutas e legumes que não sejam ácidos.
Ração tem um custo baixíssimo.
Não precisa de banho, ele faz a higiene como gatos. Mas, caso queira muito um banhinho, eles recomendam que seja dado em pets, porque será seco corretamente, evitando doenças. 
Aprende a fazer as necessidades como cães e gatos. Você ensina e ele aprende.
Extremamente carinhoso, inclusive pede carinho!
Corre e faz quem correr atrás, cansar e dormir como uma anjo.
Dá pulinhos que nos matam de rir.
Brinca com coisinhas de borracha de bebê e caixas de papelão (dei uma de pasta de dente, brincou até amassar e ficar ruim de pegar).
Faz mini cocôs (mas, muitos) bolinhas, como missangas. Não cheira, mas é cocô e ainda não aprendeu o lugar certo ainda, Apesar que ele não pode ir aos quartos, regra desta casa. Então faz no piso frio, leva bronca e um paninho com álcool ou removedor sem cheiro  resolve.
Veio educadinho, só faz xixi no mesmo lugar. Onde deve fazer mesmo. Porque este, dizem (sites) ser forte. Ainda não tive este desprazer de sentir. 
Crescerá mais um pouco e será a metade de um coelho comum.
Não solta pelos.

Contras:
Não pode se molhar, ou desenvolverá um fungo na pele.
Não pode gripar, o que pode levar a uma pneumonia muito rápido e isso sim, é fatal. Portanto, local quentinho, proteção na casinha/gaiola. e nenhuma comida gelada.
Não pode comer alface, porque derruba a pressão e ele não suportaria.
No começo fica mais tempo na gaiola, até aprender onde são feitas as necessidades. E vai sendo solto aos poucos. O certo é soltar um cômodo a cada três/quatro dias. 

Difícil encontrar a melhor pose. O cara só quer brincar nestas horas.
Deveria se chamar Murphy!

Momento ursinho de pelúcia!

Como ele não pode gripar - NINGUÉM NESTA CASA PODE FICAR DESCALÇO, PRA NÃO ADOECER E O OTAVIO NÃO MORRER.

Como ele é muito carinhoso - NÃO PODEMOS BRIGAR! SE NÃO ELE VAI FICAR MUITO CHATEADO E MORRER DE TRISTEZA.

Como ele é pequenino e gosta de brincar - NÃO PODEMOS DEIXAR BRINQUEDOS ESPALHADOS, SE NÃO ELE PODE TENTAR COMER E PODE MORRER ENGASGADO OU COM DENTE QUEBRADO.

Vocês conseguem entender os milagres do Otávio neste lar?

E por aí? Quem tem coelhinho de estimação?
Ou melhor, conta aqui quem são seus bichinhos de estimação. 
Um beijo e até!



* aqui em casa a gente respeita muito quem adota bichinhos. Achamos uma atitude sublime, mas acreditamos na democracia e no direito de decidirmos como achamos melhor.
Comentários
6 Comentários

6 comentários:

  1. Adorei!!! Abençoado Otávio!!! Amei a lisata de prós e contras! Beijos e felicidades com ele!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Brigada, Carla!!!! É muito amor envolvido, tem que dar certo! kkkkkk

      Beijão!

      Excluir
  2. Total in love com Otavio Milagreiro! Vai ser ótimos para os meninos! Ter um animalzinho faz bem para todos!
    E de cachorro vcs já tem o Rubens (ele está melhor?) que ia ficar com ciúmes de outra especie canina na sua casa... kkk
    bjbj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dri, ele é um queridinho.
      O Rubens é da minha mãe.


      Beijo

      Excluir

FAZ DE CONTA que esse post é vital pra você e repasse para seus amigos...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Voltar ao topo Web Analytics
Casa de Faz de Conta © Copyright 2013. Desenvolvido por Elaine Gaspareto