Prego do Martelo do Rugby

 
O Alê passou em consulta com o especialista depois de 3 dias, agendou a cirurgia pra dois 2 depois. Ou seja em uma semana estaria com a o dedinho da mão recauchutado.
Mas aí sim começa a comedia pastelão...
Picuinha familiar - minha irmã caçula ficaria com as crianças, mas não pode por picuinha familiar mesmo, aquelas do inacreditável futebol clube, sabe? Então toca correr atrás da sogra pra ver se a coitada pode se desdobrar pra cuidar dos netos. Mas tudo isso, com muito telefonema, e correria na manhã da cirurgia.
E fomos nós 2 pro hospital, uma hora e meia antes do combinado pra evitar problemas, aquelas coisas...
Hospital Brasil da Rede D'or, na teoria um hospital excelente, afinal foi comprado por uma das melhores redes do país. Ã hã...
O coitado em jejum desde o meio dia, eu morrendo de fome, porque já eram 18 horas e a gente já estava ali, há 2 em pé. Em pé porque a recepção estava lotada, cheia de grávidas e famílias desesperadas a espera de leito. Oi?
Um homem batendo boca com o responsável, porque a mãe estava esperando um apartamento desde às 5 da manhã. Meu pai, me proteja!!
o Alê subiu às 18:30 pra ser operado às 20h. Eu? Eu ficaria ali esperando a liberação do apartamento, porque ele iria tomar anestesia geral pra operar o dedo mindinho da mão esquerda. Agora sim, minha terceira parada cardíaca. Pra que geral, meodeos???
Criada na pressão, usei da minha educação pra perguntar a cada vinte minutos, se tinham informação do meu paciente e se o quarto já estava liberado... Únicas respostas: "ele está no pós operatório aguardando passar a anestesia e o quarto ainda não está, sem previsão". Cinco horas depois de dar entrada, deixaram que eu subisse pro quarto, precisava esticar as pernas, descansar um pouco e ver o Alê.
Subi, me acomodei e nada dele. Quarta parada!
Quando ele entrou no quarto, todo mole, sonolento, cansado, grog e rodeado pelas enfermeiras, imaginei uma noite de sono tranquilo. Ufa!
Daí uma delas disse que assim que ele comesse e se sentisse um pouquinho melhor poderia ir embora. UAU! À meia noite... Daora, vamos dormir na nossa caminha!
10 minutos depois volta a enfermeira com a sugestão de passarmos a noite lá, e irmos embora depois do café da manhã. Ok! Passaremos dormiremos no hospital.
Enfermeira saiu do quarto, entrou outra - todas muito solícitas e gentis - dizendo que seria melhor se a gente fosse embora, porque a partir das 5 da manhã começaria a contar outra estadia e essa seria particular. Ok de novo. Vamos embora.
Alta assinada, Alê alimentado, eu cansada pra carai, tchau pra todo mundo, e cadê nosso carro?
No estacionamento em frente ao hospital, que era a metade do preço do conveniado.
Mas cadê o carinha do estacionamento? Provavelmente no quinto sono, deitado em berço esplendido da casa dele ou no pior das hipóteses prevaricando com a cônjuge.
Sim! Estacionamento fechado com nosso carro lá dentro. Pô, meu, já era madrugada.
Então, vamos de táxi. E fim!
à hã! Mas cadê a chave de casa? Tá no carro, naquele preso no estacionamento. Deixei lá, com medo de perder se levasse na bolsa...
 
Não... Não é criatividade literária. É a arte descrevendo a vida mesmo.
Agora vamos às imagens:
 

 
Parece um piercing, mas é um fio de aço. Como se fosse um preguinho...
Agora, você que lê meu blog com frequência, que frequenta minha casa, que conhece como eu sou, por favor, responda: quantas vezes eu já esbarrei no dedo dele?
Pois é, esse homem me ama, porque só o amor justifica aguentar tanta dor de uma pessoa tão destrambelhada...
Cabo de aço até quarta feira de cinzas e depois 3 meses de tala só pra dormir. Rugby e judô, só quando o ano passar a ser ano velho. Em julho.
 
E por favor, não limitem ninguém a praticar nenhum esporte. Isso foi uma fatalidade! O médico disse que isso acontece com muita frequência com pessoas que arrumam a cama ou fecham botão de calça jeans.
O que depender de mim, o Alê volta no dia seguinte que for liberado.
 
Ah! Um excelente 2014 pra todos nós!
 
 
Comentários
8 Comentários

8 comentários:

  1. Gente, onde ceis dormiru rs???? Que nervoso esse piercing de dedo rs beijo e que 2014 agora só acontece coisas boas (e engraçadas claro rs)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fui pra minha sogra, no meio da madrugada. Ela quase enfarta...
      Cy, pior é que ele tem uma pontinha, que raspa em tudo, sabe?!

      Beijão e um 2014 mais leve...

      Excluir
  2. PUTZ!
    Sagas em hospitais são as maaaaais cruéis. Odeio mesmo.
    Mas que bom que ele está bem e que passou (ou passará)
    beijo enorme
    Lele

    ResponderExcluir
  3. Ai que sufoco Janaína!
    A rede de saúde tanto pública como particular está caótica.
    Rezo pra não precisar de atendimento médico, ainda mais aqui em Piracicaba. Serviço péssimo!
    Melhoras para o Ale e tudo de bom pra vocês em 2014.

    Um beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem me fale, Fabi. Torçamos por tempos melhores...

      Brigada pelo carinho. Beijão

      Excluir

FAZ DE CONTA que esse post é vital pra você e repasse para seus amigos...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Voltar ao topo Web Analytics
Casa de Faz de Conta © Copyright 2013. Desenvolvido por Elaine Gaspareto