Meia Véia 2017

Maio, frio, gelo, vento cortante, e eu só penso em agradecer minha casa, meus casacos, cachecóis, cobertores, meias...
Obrigada, Papai do Céu!

E minha forma de retribuir é por o Meia Véia no ar!

Imagem gentilmente cedida pela Lily Luz Papelaria Personalizada

Vem, genz!

Para os novatos no assunto: todo ano arrecado meias (NOVAS e de ALGODÃO) para serem doadas em asilos.
Qualquer pessoa pode ajudar doando 1 ou  mais pares de meias.
E estão convidados pra entrega, também, claro.

Para todo os detalhes, clique neste link e veja o que o Meia Véia vem fazendo desde 2010.


Para os já de casa: Tudo igual, gente! Enviem seu parzinho. Mesmo sendo só um, faz uma diferença tão grande, tão grande que não consigo descrever. Tem que ir entregar comigo pra sentir!


Aos que não puderem doar, ajude a divulgar.

Essa campanha já teve braços em outros estados e outros países também.
Meu amigos que moram looonge já fizeram a delicadeza de ajudar.

Por enquanto eu só agradeço, porque eu não conseguiria chegar até aqui.

Um suuuuper beijo em cada um de vocês, de cada velhinho ajudado desde 2010.

Lápis de Marca e Bolso Vazio

Feriado do Trabalho e "nóis tava como? Trabalhanu!"

O pai foi pra rua trabalhar. A mãe ficou em casa, com os fíi, com a casa e com a escola.
Escola porque é hora de organizar uniforme limpo, material espalhado, repor o que falta...

Chegamos aos lápis!
Que tristeza!

Anos e anos guardando os restos, os perdidos
Lembrancinha, material antigo, brinde... A gente guarda tudo num pote pra usar nas brincadeiras, lição de casa, "cala a boca um pouco" (sabe aqueles momentos que você implora por silêncio?).
Aqui, os 3 não fazem questão de marcas, modernidades, lançamentos. Lógico que pedem, mas se eu não puder dar, ok. Ninguém traumatizado.
Desculpa usada: VAMOS ECONOMIZAR PRA VIAJAR PRA DISNEY.
Ainda não planejamos o assunto, mas 9 em cada 10 crianças sonham em ir... Não tô mentindo... Vai que economizam mesmo.

Mas agora vem a tristeza.


Não há apontador que dê jeito nisso!
Quase fiz bolha nos dedos pra conseguir apontar e não consegui.
E não falem dos apontadores!


3 marcas.
Os três novos.
O rosa foi usado pouquíssimas vezes. Comprei numa loja japa, por curiosidade.  De zero a dez, nota 7.
O amarelo, comprei numa chinesa de cacarecos. Tava baratinho e ele tem dois tamanhos de buraco, consigo apontar aqueles mais grossos. Nota 7 também.
O transparente, Faber Castell, paguei caro. Depositei o resto de esperança nele e fuén. Nota 7 também.


Decepcionante mesmo porque a marca que me acompanhou deeesde a infância, mudou muito.
Tive que jogar fora muitos lápis de marca. Dinheiro jogado na lata do lixo.


Não é possível o que eu estou escrevendo aqui, né?


É sim! Todas chora!
O azul mais escuro e o branco, comprei este ano, pra escola!!
O azul mais claro ganharam como lembrança de Natal, juntamente com desenhos pra pintar, no Natal dos filhos dos funcionários de onde o Alê trabalhava. Isso em 2015!

Sério. Não são baratos! Vezes 3... O que era pra durar o ano letivo, dura o trimestre.

Eu tenho Crayola. São meus, comprei pra colorir aqueles livros que foi febrinha ano passado. Não tenho como opinar, porque uso muito pouco. Tem cores que ainda nem apontei. Mas tenho ótimas referências de amigas que usam como material escolar. Duro é o preço.

Depois de passar uma tarde, apontando, jogando bralho com os meninos e fechando com vinho do Porto com o marido, fechei um estojo pro João que não acredito que dure até agosto. Uma que ele perde, mas acordamos em economizar pra ir pra Disney - não sei quando. HAHAHAHHAHA

Ôh, tristeza!

Beijo, genz!
Força aí no bolso de vocês! E no meu.

Fantasia de Astronauta - DIY a 4 mãos

E chegou aquele dia que a criança tem que usar a roupa da profissão que ela "escolheu" pra ter quando crescer.

Com PP - a recém parida esqueceu e ele foi a única criança que será eternamente estudante.

Com J - a escola pediu que eles usassem a roupa de trabalho do/a pai/mãe. Logo, João foi de roupa social que era assim que o pai trabalhava na época.

Com A - senta que lá vem a história com riqueza de detalhes e chuva de imagens.

Quem me acompanha no face, deve ter visto o dia que André disse que seria "pocilial", palhaço e astronauta. Em dias alternados.
A escola, então, pediu a roupa e ele teve que escolher.
Policial, ok. Mais ou menos fácil (o problema seria não deixar inventar armas).
Palhaço, ok. Duro seria explicar pras outras crianças que palhaço é profissão e não só fantasia de carnaval. 
Astronauta, ok. "É isso. Eu vô dji astronauta pra escola."

Bom, bora procurar uma fantasia de astronauta, ué?!
Pra vocês que são pessoas normais e que devem ter casado com pessoas que sabem brincar.
Alê não sabe brincar! 

Alê inventa E faz

Eu quebrando a cabeça pra resolver o assunto capacete.
Alê foi na loja de produtos de artesanato e comprou uma bola de isopor de 25cm. Cortou, lixou, abriu a frente, emendou pra ficar no formato, colou.
E passei a fita prateada pra fazer o acabamento.

Placa de isopor usada
Eu nem lembrava da "mochila".
Alê conseguiu no trabalho um pedaço retangular.
Encapamos com fita metálica. Aquela larga, tipo durex. Não sei o nome, mas encontrei em loja de 1,99 (que tem de tudo, a todo preço, sabem?).
 Na parte de baixo coloquei duas bocas de pet (encapadas com a fita também), cortei  trias de feltro nas cores amarelo, laranja e vermelho ( pra imitar o fogo).
Em cima, Alê encapou 2 lanternas pequeninas que ganharam de lembrancinha de aniversário e prendeu na direção de cada ombro, pra iluminar  a frente.
Pra pendurar, coloquei dois elásticos, como alça de mochila, prendi com alfinetes e fiz o acabamento com o metálico, pra esconder e firmar mais.
E na frente da mochila, colei adesivos: etiqueta do Brasil, símbolo da Nasa e um crachá (mostro mais abaixo). Tudo isso fiz da forma mais amadora, imprimi em papel etiqueta e colei.

Essa fita é ótima! Não dá pra ver onde começa, onde termina.
A parede é preta e o fogo ficou um pouco escondido

Crachá and cartão de visitas - sem endereço e telefone, porque no espaço não tem nada disso!

Aaaah! Baixei a Fonte Nasa e Space no Google. Não lembro os sites, até porque procurei, baixei, instalei sem pensar.
Fiz uma montagem bem grotesca com a fotinho dele e uma imagem de um astronauta.

Frente do astronauta mairlindo do universo.

Detalhe na bundinha: sobra do macacão que vestiria uma família de 5 anões
 O macacão é outra novela.
Eu quebrando o resto da cabeça... Andei de loja em loja atrás de moletom branco. Desisti. Comprei tecido pra fazer. Logo eu que como costureira, só tenho a máquina.
Alê foi atrás e comprou um macacão de TNT usado parar proteção de trabalhadores. Pagou 18 dinheiros, contra os 2 m de moletinho que paguei 33 e não sei o que fazer com isso! 

Sim, sou eu no fundo, mas aí não é meu andar, ele quis mostrar pra vizinha!
Chegamos na escola, e assim que ele apareceu todo montado de Neil Armstrong a escola veio abaixo. Bateram palmas, as tias fizeram festa, os tios deram os parabéns...

Foi sucesso!
Todos gostaram, professoras pediram pra tirar foto... Um astro, literalmente.
Ok. Piadinha infame. Sorry!

Beijão, genz!


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Voltar ao topo Web Analytics
Casa de Faz de Conta © Copyright 2013. Desenvolvido por Elaine Gaspareto