ABC do Post It

E começa - na verdade desde ano passado ou antes - a última alfabetização deste lar.
(todas chora)
André é super interessado e ansioso em aprender a ler e escrever.
Resolvi facilitar as coisas, pra ele e pra mim, porque eu preciso terminar o almoço, escovar os dentes, ajudar os outros dois, seguir a vida.
E a solução é brincadeira!

Escrevi vários em post it palavrinhas do nosso dia a dia.
E ele tem que colar nas respectivas coisas.



Quando essa etapa começa a enjoar, começa o nível II da brincadeira: ele fecha os olhos e eu troco algumas de lugar.
Daí ele tem que ler e ver se tá certo e/ou procurar a palavra correta.


Tá difícil de ler o post it na imagem, mas a alegria de ler sozinho uRRRRRRRso...

 
E também funciona pra aprender inglês! O que vai ajudar o João também!
E assim família que estuda unida, aprende unida.

Beijão, genz!

Papum - Bola de Meia

Dica papum de meias velhas.
Sabe aquelas meias velhas, de pés perdidos (roubados sorrateiramente, na calada da noite pelo Saci), com furo, mancha?!


Umas 6 ou 8 de adultos já dá um belo resultado.



Então é só enrolar como rocambole e ir colocando uma dentro da outra.
O segredo é esticar bem; o tecido que sobrar, torce e volta a enrolar.


Pra arrematar e pra não dar a ideia de desfazerem, alinhavei esse "buraco".
Pronto. Não pode levar celular na escola (o que aqui os menores não têm mesmo), mas bola pra jogar no recreio... OPA!

Ainda acabei com aquela cacetada de meia perdida pela casa.

Quem faz bola de meia também?

Beijo, genz!

Poder Não Pode, Mas o Mundo É Mais Leve

Oi... oi... oi... i... i...
Tem alguém aqui? Qui.. qui.. qui..i... i...


Sem rodeios. Sumi.
Não era depressão, não era saco cheio, não era doença, não era nada.
Sumi porque não queria escrever mais do mesmo. E não posso dizer que era falta de inspiração porque nem busquei mesmo...

Novidades? Muitas. E vou contar aos poucos pra vocês voltarem e lerem porque ESTOU DE VOLTA para nooooooossa alegriiiia! 

Voltei pra falar de coisas leves! Em época de tanta baleia, o que a gente precisa é leveza.

Vamos falar de besteiras que seus filhos falam e caem na gargalhada.
Um exemplo clássico: "xixi cocô". Quem nunca?
Aqueles momentos que eles repetem isso sem parar e caem na gargalhada.
"Cara de cueca", "Mário? Que Mário?", "Cara de pavio, tua mãe morreu, teu pai não viu." 

Outra a cara de meninos fanfarrões: diarreia atômica.
Eu rio/lago/oceano só de imaginar meninos do Monteiro Lobato falando isso.

Na minha opinião é igual fazer careta. Mostrar a língua.

Mas vamos ao papo de mãe: Vocês repreendem? 
Porque o mundo tá tão chato que as pequenas coisas tendem a se tornar grandes dilemas.

Eu não repreendo, não.
Claro, mostro que há lugares e lugares pra se brincar, pra falar determinadas coisas.
Não dá pra brincar assim na escola, né?! Mas aqui em casa, entre nós, de vez em quando a mãe dissimula e finge surdez temporária. Caem na gargalhada como a família da Peppa e fim.
Sem alarde. Sem polêmicas.
"Pai tá roncando minha bunda, só porque ela quer fazer cocô."
Minha alma gargalhou e a do pai também, dei uma risadinha e ensinei que não é assim que fala. Sem grande intervenção.
Outro exemplo: PALAVRÃO 

Pode? Pode.

Sabe por que? Porque são netos de jogador de futebol, porque frequentam estádios e porque não tenho como privar meus filhos disso.
E só porque podem falar num determinado espaço, não repetem por aí...

O proibido é mais legal. Lembram?

Polemizar aqui só com assuntos sérios, como as guerras iminentes, Alepo, segurança, crianças sem condições de estudos aqui do lado de casa, etc.

Minha intenção é deixar o mundo mais leve, com regras, ordem, respeito. E não impossível! Bora ajudar, gente!
Agora, conta aqui o que os seus falam? 


Beijo, genz!
Voltem pra mim que eu voltei pra vocês!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Voltar ao topo Web Analytics
Casa de Faz de Conta © Copyright 2013. Desenvolvido por Elaine Gaspareto